Programa de Esterilização

Para além das vantagens comportamentais e de controlo de natalidade, a esterilização aumenta também a esperança de vida dos animais, trazendo benefícios de saúde diretos e indiretos, especialmente no caso das fêmeas, diminuindo o risco de tumores e doenças sexualmente transmissíveis.

 

Procedimento cirúrgico:
A esterilização cirúrgica consiste na remoção dos ovários e útero, no caso das fêmeas, e dos testículos, nos machos. O procedimento é realizado sob anestesia geral, volátil, o que permite uma maior segurança durante o procedimento e um período de recuperação mais curto e cómodo. É recomendável a realização de uma consulta prévia, para a realização de exame clínico que ateste não existirem contra-indicações ao procedimento cirúrgico e, idealmente, a realização de análises clínicas.

A equipa da clínica Veterinários Ericeira realiza suturas intra-dérmicas nestes procedimentos, o que evita a necessidade de pensos e do uso de colares isabelinos. A correcta utilização de analgésicos permite que a maioria dos animais intervencionados recupere plenamente o bem-estar num período de 24-48 horas, após o procedimento cirúrgico.

 

Idade aconselhada para esterilização:
A esterilização, idealmente, deverá ser realizada em idade pré-púbere, o que diminui a probabilidade de complicações pós-cirúrgicas, permitindo períodos pós-operatórios mais confortáveis para os animais e seus donos. Actualmente recomendamos que a esterilização de cães e gatos de ambos os sexos seja realizada aos seis meses de idade.

 

Principais vantagens da esterilização:
A esterilização das fêmeas previne cios, pseudo-gestações, tumores mamários malignos, hiperplasia fibro-epitelial felina e eventuais gestações indesejadas. Os tumores mamários são dependentes de hormonas ováricas, pelo que as cadelas esterilizadas antes do primeiro cio apresentam uma probabilidade de apenas 0,05% de desenvolvimento de tumores mamários malignos. As cadelas esterilizadas após o primeiro cio têm 8% de probabilidade de desenvolver tumores malignos da glândula mamária, sendo que quando a esterilização é realizada após o segundo cio, a probabilidade sobe para os 26%. A esterilização feita após cios subsequentes não parece alterar a probabilidade de aparecimento de tumores mamários malignos, reduzindo, contudo, a probabilidade de incidência de tumores benignos de mama.

A esterilização dos machos previne os tumores testiculares e os adenomas perianais, diminui o risco de hérnias perineais e previne a hiperplasia prostática benigna, doença frequentemente associada a queixas urinárias e gastrintestinais. Nos machos diminui-se o risco de fuga, associado ao impulso sexual, o que pode frequentemente resultar em atropelamentos e outras causas de traumatismos.

A esterilização precoce dos machos diminui ainda os comportamentos de marcação territorial com urina e de luta, o que é particularmente importante na prevenção da transmissão do vírus da imunodeficiência felina (FIV), em gatos com acesso ao exterior.